Portal Sobre Elas

Sobre Elas

Pílula do dia seguinte, vamos falar sobre isso?

Um encontro inusitado ou uma relação sexual desprotegida aconteceu. Como você se sente? Se não houve proteção preventiva, provavelmente seu primeiro  pensamento e receio será o de ter engravidado sem querer.  

Sabemos da existência da contracepção emergencial, mas será que sabemos efetivamente tudo sobre ela? Como ela funciona?

A pílula do dia seguinte - conhecida também como anticoncepção oral de emergência (AOE) - age retardando a ovulação da mulher, impossibilitando o espermatozoide de gerar a fecundação, além de provocar alterações no endométrio, bloqueando a implantação do óvulo.

A indicação de uso da Pílula do dia seguinte mais apropriada é quando há falha do método anticoncepcional utilizado (por exemplo, a camisinha rasgou ou saiu do lugar, esqueceu-se de tomar mais de dois dias a pílula anticoncepcional, passou a data de aplicação da injeção, etc.), relações sexuais desprotegidas ou nos casos de violência sexual (estupro).

Apesar de bastante utilizada, inúmeras dúvidas cercam o assunto:

  • Tenho quanto tempo para tomá-la?
  • É eficaz?
  • É abortiva?
  • Posso tomar mais de uma vez por mês?

O ideal é que a mulher tome a pílula o mais próximo possível da relação sexual desprotegida, mas ela tem até três dias (72 horas) para fazer isso.

Tipos de anticoncepcional emergencial

Existem dois tipos de pílula do dia seguinte: as compostas de uma alta dose de progesterona (levonorgestrel) e as formadas pela associação de estrogênio e progesterona (levonorgestrel).

Normalmente, são vendidas nas farmácias sem necessidade de receita e tem duas apresentações: embalagens com um comprimido de 1,5 mg de levonorgestrel , que deve ser tomado em dose única ou com dois comprimidos de 0,75 mg de levonorgestrel, os quais que são tomados em duas doses - com um intervalo de 12 horas entre elas.

O importante é que a pílula do dia seguinte, seja tomada o mais depressa possível.

Eficácia e índice de falha

Estudos recentes realizados pela Organização Mundial de Saúde demonstram que a dose única é tão eficaz e segura quanto a dose fracionada.

Uma das vantagens de se usar a pílula do dia seguinte em dose única é a facilidade de administração e o menor risco de esquecimento, porém, a dose única pode aumentar o risco de ocorrência de efeitos indesejáveis (efeitos colaterais) como dores de cabeça, dor nas mamas, náuseas e irregularidades menstruais.

A pílula do dia seguinte tem a seguinte eficácia:


  • 95% se tomada no primeiro dia
  • 87% se tomada no segundo dia
  • 50% se tomada no terceiro dia  

A pílula do dia seguinte é  abortiva?

A pílula do dia seguinte não funciona como método abortivo, ela impede a fecundação do óvulo pelo espermatozoide e também pode modificar as condições do endométrio.

Erros comuns na administração da pílula  

Apesar de parecer simples, em alguns casos a ingestão da pílula pode acarretar problemas se não for administrada corretamente. Veja alguns erros listados pelo Sobre Elas e fique atenta:

  • Ingerir antes da relação sexual – ela não tem a função anticoncepcional,  como a pílula comum, sua finalidade é outra.
  • Usar continuamente – se for utilizado com frequência, o método pode perder o efeito em um curto período de tempo e já não ser um procedimento emergencial eficaz, perdendo seu propósito.

  • Associar com outros medicamentos – algumas classes de medicamentos reduz a eficácia da pílula, por isso seu ginecologista deve ser informado.

  • Substituir a camisinha pela pílula do dia seguinte – é o pior erro que uma mulher pode cometer. A pílula não protege de doenças sexualmente transmissíveis, sendo indicada apenas para uso emergencial.

  • Utilizar com outro anticoncepcional – fazer uso da pílula do dia seguinte com outro anticoncepcional não tornará o método eficaz, você não precisa apelar a este tipo de emergência.

Menstruação e efeitos colaterais

Após tomar a pílula do dia seguinte, sua menstruação poderá ficar mais escura que o normal, além de vir em maior quantidade. Isso ocorre pela alta concentração hormonal.

Alguns efeitos colaterais normalmente são causados pela ingestão da pílula: dor de cabeça, enjoos, diarreia, sangramentos, antecipação ou atraso da menstruação.

Compartilhe | |